Artigo publicado em 30 abr 2019 | Este artigo tem 0 Comentário


INTRODUÇÃO

Mães narcisistas são verdadeiramente perversas. Geralmente, o relacionamento com as filhas são destemperadas, transtornando a vida de suas crias. 
Ocorre que filhas de mães narcisistas faz o possível para agradar a mãe, para se sentir querida e amada, mas todo esse esforço não surte efeito algum, porque não existe reciprocidade. Nada é suficiente para mães narcisistas. Não há carinho, não há empatia, não há compreensão.
As meninas são as vítimas mais frequentes, mas os meninos também podem sofrer do mesmo mal. Na mesma linha, há pais narcisistas também. Entretanto, neste artigo, vamos nos ater as mães narcisistas. 
Não necessariamente, todos os filhos sofrem os maus tratos – normalmente, a mãe elege um dos filhos. Aquele que na sua psique, a intimida mais, bem como sente mais inveja e ciúme.

DO MITO DE NARCISO 

“O narcisismo, conceito psicanalítico cujo nome Freud tomou de empréstimo ao mito grego de Narciso, um jovem de beleza tal que se comparava a um deus. Enamorou-se de sua própria imagem espelhada na superfície de um lago. Por isso, repudiou o amor da ninfa Eco e foi punido com a condenação de apaixonar-se apenas pela sua imagem refletida no rio. Sem alcançar o seu ideal, afogou-se nas águas ao tentar atingir o reflexo. O mito ficou associado, em nossa cultura, à ideia de vaidade que, dentre os sete pecados capitais é o mais grave, pois todos os outros derivariam deste. O narcisismo está vinculada à questão da imagem e esta, por sua vez, à noção de identidade”.

DO CONCEITO POPULAR REFERENTE A MÃE 

Antigamente e ainda hoje, as pessoas acreditavam/acreditam que amor de mãe é único e incondicional, o que não é uma verdade absoluta, pois existem mães que não amam as suas crias. Ainda assim, além de não amar, ainda praticam todos os tipos de atrocidades que se possa imaginar, como lesões corporais e abusos psicológicos. Em muitos casos praticam abusos sexuais.
Mãe narcisista, geralmente, é um ser sufocante, que só sente prazer com o sofrimento da cria. Dos traços de personalidade são: amargas, perversas, arrogantes, rudes hostis etc.

DA PERSONALIDADE X COMPORTAMENTO

Há um prazer enorme no sofrimento de sua cria. Sempre acaba por dar fim na alegria do filho (a). É a melhor narradora, quando se trata de denegrir à imagem da cria. Não sente receio, vergonha ou remorso. 
A narcisista mãe, atribui a cria todo e qualquer defeito: você é burra; não faz nada direito; não sabe se portar, se comunicar; é incompetente; inconsequente!
Ela não poupa desaforos, no intuito de sempre pôr abaixo a cria, chegando, inclusive, a agredir fisicamente, em alguns casos. Ou seja, o filho é um capacho. Poderíamos descrever ainda inúmeras formas de comportamento desse perfil de mãe.

No entanto, as pessoas que não convivem em seu entorno, a vêem como a melhor mãe do mundo. Sempre alegre, dedicada, gentil, cuidadosa, inteligente, articulada. Uma mãe, esposa e dona de casa exemplar. 
Nesse caso, quando o filho, mais precisamente a filha, que são presas mais acessíveis dessas mães – comentam o seu sofrimento com pessoas que conhecem a família, é vista como uma má filha – tendo em vista todas as narrativas já feitas por esse perfil de mãe àqueles que a conhecem e/ou mesmo àqueles que mal conhecem.
As pessoas não acreditam no sofrimento de suas crias, pois ela transmite uma imagem de mãe perfeita na frente dos outros.
O abuso psicológico e físico da cria, pode chegar no limite de não ter como se defender nem com quem falar. 

DOS TRAUMAS X SINTOMAS

Diante de tamanha rejeição de uma mãe perversa – o ser o qual a criança se relaciona diretamente em primeiro lugar na vida. A pessoa que é tida como o sujeito mais importante na vida de um bebê – no caso a mãe narcisista – pode levar a criança a viver um calvário por toda uma vida. Na realidade, essas mães são algozes em vez de cuidadoras. Portanto, sujeitos que passaram por tamanho maus tratos adquirem traumas intensos, marcantes e dolorosos em sua psique – desencadeando assim: baixa autoestima; complexo de inferioridade; ausência total de confiança em si mesma, inclusive, não confiarão em pessoas que virão fazer parte de suas vidas.
Podendo desencadear, por exemplo, transtorno de conversão, ou seja, quando o sujeito afetado, transforma a dor emocional em dor física, apresentando alguns sintomas que em um primeiro momento serão cogitados como doenças orgânicas, mas que não são encontradas comprovações diagnósticas em exames médicos, como: dores de cabeça constantes, insônia, enjôo, dores no coração, dificuldade de respirar, visão ruim, incapacidade de falar, andar e outras.
Nesses casos existe o sintoma, mas não há doença aparente àquela sintomatologia.
Ainda sobre a sintomatologia desencadeada ao longo da vida, podemos citar outros sintomas, como: transtorno de ansiedade generalizada, síndrome do pânico, depressão e transtorno do estresse pós-traumático.

O sujeito evolui ao longo do tempo com todo tipo de consequência dolorosa em sua psique, pois todos os sentimentos referente aos abusos foram reprimidos. E toda repressão dos sentimentos negativos irão repercutir no decorrer da vida, como: infância, adolescência e vida adulta.
Assim, com baixa autoestima e ausência de confiança em si mesma, em momentos pontuais de sua vida, terá dificuldades em tomar decisões, o que levará a procrastinação e/ou recorrerá sempre a opinião alheia – de uma pessoa próxima – antes de tomar alguma decisão considerada importante para si.
Sujeitos reféns de mães narcisistas, provavelmente, irão se relacionar com parceiros inadequados, justamente pelo fato de se contentar com migalhas de afeto e não se ver merecedora de sentimentos sólidos.
Em psicanálise, falamos em compulsão à repetição, quando há repetição de comportamentos vivenciados na infância, geralmente, o comportamento e vivências se repetem, principalmente com parceiros, ou seja, pessoas assim, continuarão submissas a outros caso não consiga ajuda psicoterapeutica.
Vale ressaltar, que filhas de mães narcisistas têm predisposição a comportamentos autodestrutivos, recorrendo, por vezes, às drogas, bebidas e, em casos mais graves, ao suicídio.

CONCLUSÃO

Precisamos entender que a Personalidade Narcisista é um transtorno complexo. Os reféns de mães narcisistas, provavelmente, não encontrarão grandes soluções para reverter a condição de vida de suas genitoras. Ao tomar conhecimento de suas mazelas, é necessário tomar medidas para modificar sua situação e não permanecer mais sendo a vítima. Não será uma jornada fácil, mas é totalmente possível reverter os abusos psicológicos e emocional, bem como a autoestima estilhaçada. Como toda perda e/ou ferida exposta é preciso tempo para uma experiência emocional corretiva.

REFERÊNCIAS

Autora, Luzziane Soprani

ENGELKE, Michele, Filhas De Mães Narcisistas Conhecimento Cura
MATOS, Giorgia, psicanalista, escritora em ciúme patológico

0 Comentarios Quero comentar!

No comments yet.

Leave a comment