Artigo publicado em 27 maio 2017 | Este artigo tem 2 Comentários

 

O presente artigo tem por objetivo tratar as diferenças entre os transtornos: Borderline versus Bipolar, bem como os dois transtornos juntos em uma mesma mente.

O Transtorno de Personalidade Borderline e o Transtorno Bipolar se assemelham em muitos sintomas, os mais evidentes sendo o humor instável e atitudes impulsivas.

Devido algumas semelhanças o Transtorno Borderline e o Transtorno Bipolar são confundidos frequentemente. Alguns portadores desses transtornos perambulam por longo tempo até serem diagnosticados corretamente. O risco de tratamento errado não é incomum, pelas estatísticas conjecturadas perante tratamentos com diagnósticos errados.

Como são distintos, os métodos de terapia se diversificam. A Bipolaridade responde bem aos antidepressivos ao passo que o Borderline é tratado com terapias que tem possibilidades de atuar com eficácia, como é o caso da Terapia Dialética Comportamental.

Em um artigo publicado pelo U.S. National Library of Medicine, Joel Paris, M.D., escreve: “Estudos de tratamentos que falharam em mostrar que os estabilizadores de humor têm em qualquer ponto a mesma eficácia no Transtorno de Personalidade Borderline do que eles têm no tratamento do Transtorno Bipolar”.

Apesar das variações de humor os sintomas predominantes nesses dois tipos de transtornos, cada um possui características que requerem acompanhamentos diferentes.
A primeira grande diferença está na velocidade da mudança de humor. O paciente Borderline apresenta variações de sentimentos dentro de segundos, minutos e/ou horas, enquanto o Bipolar, comumente, leva no mínimo uma semana do estado de euforia até o estado de depressão. Além disso, no Transtorno Borderline, a variação de humor depende de fatores externos, enquanto o Transtorno Bipolar alterna o seu comportamento segundo estímulos internos.

ALGUNS TRAÇOS QUE DIFERENCIAM AMBOS OS TRANSTORNOS: BORDERLINE VERSUS BIPOLAR:

Transtorno de Personalidade Borderline em meados do século 20 foi descrito como um distúrbio psiquiátrico por está relacionado entre as estruturas: psicose e neurose. Por isso, é também chamado de comportamento limítrofe, bem como tem sido chamado de Síndrome Borderline.
No Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais que se encontra atualmente no [DSM 5] no âmbito do diagnóstico de “Personalidade Emocionalmente Instável.” O termo Borderline (“limítrofe”) permanece – apesar de algumas pesquisas discordarem que o Borderline está na fronteira de um distúrbio neurótico versus psicótico. No entanto, comumente associam e/ou confundem Transtorno de Personalidade Borderline com Transtorno de Personalidade Bipolar.
Mesmo o Bipolar misto que alterna rapidamente entre euforia e depressão não é tão inconstante como quem sofre de Transtorno Borderline.
Uma das diferenças bem demarcadas é que pacientes Borderlines não têm uma personalidade definida, incluindo a sexualidade. É mais provável encontrar um bissexual entre Borderlines do que entre Bipolares. Embora muitos Bipolares possam cogitar pessoas do mesmo sexo, a escolha dos parceiros é muito clara.
Sobre depressão, algo que afeta tanto o Borderline como o Bipolar, pode-se afirmar que mesmo a depressão do Borderline, intermitente, é diferente daquela do Bipolar, contínua. Conclui-se que instabilidade emocional não é Transtorno Bipolar, mas pode ser Borderline.

AlGUMAS CARACTERÍSTICAS DO TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE:

Relacionamentos instáveis;
Humor e pensamentos instáveis;
Lutas com um senso de self;
Possível paranoia e/ou psicose;
Sexo promíscuo.

Algumas dessas características também aparecem em Transtorno Bipolar, por isso, é possível confundir um para o outro.

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DO TRANSTORNO BIPOLAR:

No Transtorno Bipolar, o humor varia dentro de um tempo maior (dias, semanas, meses), obedecendo a ciclos.

O Bipolar tem um humor que obedece a fatores internos.

O Bipolar mantém o humor maníaco enquanto durar a fase de mania (uma semana no mínimo); e mantém o humor depressivo enquanto durar a fase depressiva (dois meses no mínimo). Mesmo aquele Bipolar misto que alterna rapidamente momentos de euforia e de depressão não é tão inconstante como quem sofre de Transtorno de Personalidade Borderline. A diferença, nesse caso, pode ser pequena; mas existe.

DOS TRANSTORNOS BORDERLINE E BIPOLAR JUNTOS:

É evidentemente difícil, distinguir entre os dois quando há coocorrência. Não é incomum um paciente ter vários distúrbios psicológicos simultaneamente. Essa simultaneidade de transtornos pode vir de várias partes, incluindo alguns:

Transtornos de ansiedade;

Transtornos de Abuso de Substâncias;

Transtornos de Humor e Transtornos Afetivos.

Cerca de 20% têm uma combinação de Transtornos de Personalidade Borderline e Transtorno Bipolar.
É motivo de discussão se os dois simultaneamente ocorrem dentro do mesmo corpo e mente e/ou se eles se fundem basicamente em um quadro mais complexo. As consequências de ter ambos os transtornos é excessivamente pior. A probabilidade de tentativa de suicídio é maior.

Todavia, em função dessa complexa relação entre as duas doenças que os investigadores Joanna McDermid e Robert McDermid sugerem em Janeiro de 2016 na edição da revista Current Opinion in Psychiatry que os dois transtornos somados devem ser considerados sob o termo “fragilidade emocional”.
McDermid & McDermid propõe que, da mesma forma, a instância de comorbidades de Transtorno Bipolar e Transtorno de Personalidade Borderline exige mais do que um tratamento individual para cada um.

O Transtorno Bipolar é tratado principalmente com medicação. Estabilizadores de humor são usados para ajudar a afastar a depressão e antipsicóticos atípicos são usados para tratar mania. Há outros medicamentos disponíveis e, na maior parte dos casos, uma combinação de medicamentos é necessária para alcançar o resultado necessário.

Atualmente não há medicamentos aprovados pelo FDA (órgão regulador de medicamentos e alimentos nos EUA) para o tratamento de Transtorno de Personalidade Borderline. O tratamento primário é a terapia. Existem diferentes tipos de terapia utilizados com foco em resultados diferentes: terapia cognitivo-comportamental, terapia comportamental dialética e terapia focada no esquema.

AINDA HÁ O QUE SE DIZER SOBRE AS DIFERENÇAS DE CADA TRANSTORNO:

As histórias de amor interrompidas, vividas por Bipolares, por exemplo, se diferenciam muito em relação às histórias de amor vividas por Borderlines. Obviamente, os Bipolares não estão isentos de serem traídos, humilhados, maltratados, etc., como qualquer pessoa normal para as leis da sociedade. Mas veja que muitos Bipolares ainda pensam em seus ex-parceiros e desejam reatar com eles um dia, ainda que agora vejam neles defeitos que antes eles não viam. Enquanto um Borderline veria o ex-parceiro que o traiu e/ou humilhou como um verdadeiro demônio, que só tem defeitos; e se o Borderline antes o queria, agora já não o quer. Os sentimentos do Borderline são volúveis. Instabilidade emocional (mudar de humor a cada segundo, a cada minuto), não saber direito o que quer – isso agora é bom! – isso agora é ruim! Ou seja, achar uma pessoa perfeita e depois a pior das pessoas, passando de Anjo a Demônio, sem haver meio-termo, sem haver transição, essas são características que dizem respeito essencialmente ao Borderline, ainda que possam nos lembrar bastante um Bipolar.

O Bipolar ainda pode amar o ex-parceiro que o traiu e/ou o abandonou – demostrando que, apesar das suas variações de humor, o Bipolar ainda sabe o quer e percebe que, se àquela pessoa não era perfeita, pelo menos não era tão mau assim… Já o Borderline agiria de outro modo.

Desse modo, já podemos imaginar que a identidade e o humor do Bipolar são diferentes do Borderline; e que o Borderline tem aquele pensamento extremista que divide as pessoas em dois tipos bem restritos. Para o Borderline a pessoa só continuará sendo boa se essa eternamente lhe servir.

“Não se odeia quando pouco se preza, odeia-se só o que está à nossa altura ou é superior a nós”. Friedrich Nietzsche

Diante as diferenças entre ambos os transtornos um médico qualificado precisará investigar para determinar o diagnóstico correto. Uma delas é o ciclo dessas mudanças de humor, mencionadas acima.

Embora os resultados diagnosticados exijam atenção para um tratamento adequado, quando esses dois transtornos atuam juntos em um mesmo individuo, tendem a ser excessivamente pior numa comparação do que com apenas um dos transtornos.
O uso de medicações que estabilizam o humor é imprescindível nesses casos. Diferentemente do que muitos pensam a instabilidade emocional não é somente do Transtorno Bipolar, mas de outros transtornos também, bem como nesse caso, onde os transtornos estão associados. Portanto, todo tratamento deve ser acompanhado por um profissional clínico, sendo indicado o psiquiatra, que é o profissional que tem autoridade para dar um diagnostico preciso.

 

REFERÊNCIAS:

Manual Diagnóstico Estatístico Transtornos Mentais DSM-5

A screening measure for BPD: The McLean screening instrument for Borderline Personality Disorder (MSI-BPD)

Vivendo a Vida com Borderline – Editora Fontanar

Temperamento Forte e Bipolaridade – 10ª Ed. Lara, Diogo Rizzato – Saraiva

Citações do artigo de Walmir Lelis Assunção

CORAÇÕES DESCONTROLADOS: Ciúmes, raiva, impulsividade – o jeito Borderline de ser